domingo, 7 de dezembro de 2014

Aquisições de Novembro

Já a algum tempo que não vinha aqui falar sobre as minhas aquisições, mas este mês de novembro merece destaque!

A moça passou-se e o carteiro fartou-se de bater a porta =)


Já a algum tempo que andava a procura de livros da Mafalda e este ano para comemorar o seu 50º aniversário, foi editada toda a sua colecção num único volume. Não podia perder esta oportunidade e comprei logo.

Na Sombra e A pele e a princesa, foram oferecidos e não faço a mínima ideia do que tratam.

O Último Conjurado adquiri para uma leitura conjunta com o pessoal do cantinho do Fiacha e podem ler aqui a minha opinião. Esta é uma edição mais antiga. Recentemente foi reeditado pela SDE e podem adquirir o livro através do site.

Espada que Sangra e Para sempre Carcóvia, recebi da Chiado Editora. Destaco o primeiro que está a fazer grande sucesso e espero que lidere um dia o top de vendas de literatura fantástica. 

A tormenta das espadas veio aumentar a minha coleção das Crónica de Gelo e fogo e é leitura actual.

Azazel I e II, O Homem Ilustrado, O Feiticeiro de Oz e Ouro no Túmulo, foram aquisições pela Europa América. Entrei no site para comprar o Silmarillion mas acabei por apostar na FC e em livros para o Pirata. Esta compra tornou-se uma desilusão. Demoraram muito a enviar a encomenda e cheguei a pensar que a editora já tinha falido. Não há contacto com os leitores e fiquei bastante triste. Encontrei no site vários livros que gostaria de comprar, mas nestas condições não o vou fazer. Ainda espero resposta aos meus emails. 

Mortinhos por chegar a casa, para o Pirata mais mimado da blogosfera. Comprei também para ele Os monstros das caixas, que já li e adorei como podem comprovar aqui 

Jardim Encantado, acabei por oferecer a uma tia que adora ler e festejos o seu aniversário esse mês. É um romance encantado que acredito ser muito lindo, mas acabaria por ficar a fazer monte na estante sem que lhe pegasse.

Este mês as notas até saltavam da minha carteira... Este mês já comprei dois livros e espero que sejam os únicos. Vou fazer também um esforço para comprar poucos para o ano.

Já leram algum destes livros? Acham que são boas aquisições? 
Não esqueçam de comentar =)




quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Opinião - Os Monstros das caixas de Alan Snow

Apresento...

O livro mais fofo do ano!!
Fofo talvez não seja a palavra que queira usar, mas não encontro outra. Senti-me criança de novo e só por isso valeu a pena a leitura.

Sinopse:
Só o órfão Artur e os seus novos amigos - o Avelino Dentadinha, um antigo Conselheiro da Rainha, a Margarida que é Inventora, um tímido cabeça-de-couve e alguns monstros das caixas muito agitados - poderão salvar a cidade!
Mas serão eles realmente capazes de o fazer?
Porque será que o maldoso Larápio se instalou no Salão do Queijo?
Quem roubou o mais recente invento da Margarida?
E quem diria que os ratos tinham tanto jeito para tirar nódoas?

Opinião:

Uma história onde os monstros são nossos amigos e a generosidade fala mais alto.
Os ratos têm muito jeito para tirar nódoas mas esta não é a maior das suas qualidades!
Esta é uma aventura recheada de amizade e acompanhada de excelentes ilustrações. 

Artur vive com o seu avô no subsolo e como este já não se sente com forças, é Artur quem tem sair para procurar comida. Mas desta vez algo corre mal e Artur não volta para casa tão cedo.

No meio do azar, Artur faz novos amigos e descobre que não é o único que corre perigo. Toda a cidade de Ponte de Rato e seu habitantes (incluído os do subsolo) está ameaçada pois o malvado Larápio prepara uma vingança terrível contra a cidade.

"Ponte de Rato era uma cidade estranha, e ao longo da sua história assistira a alguns acontecimentos muito esquisitos e assustadores, Mas nunca nenhum fora tão esquisito e tão assustador quanto aquele que agora atravessava as suas ruas."

O que mais gosto neste livro são as personagens e as ilustrações. As ilustrações são fundamentais e ajudam a criar cumplicidade com as personagens e a sua história. 
 
As personagens (do bem), são estranhas mas muito engraçadas. O que as move é a amizade e generosidade e isso torna-as especiais.

Cada capitulo é uma surpresa e gostei muito de conhecer a lavandaria e os seus trabalhadores. Que grande equipa aquela.

Este é um livros para crianças que recomendo aos adultos também. 
Por vezes é preciso deixar de parte a vida séria e os problemas e parar um pouco. 
Este livro fez-me bem, deixou-me bem disposta, lembrou-me que não somos nada sozinhos e devemos ajudar quem precisa, mesmo que pareça estranho aos nossos olhos. 

Fiquei fã de Alan Snow

Recomendo vivamente que leiam ou ofereçam este livro ás vossas crianças. É uma óptima sugestão para o Natal.

Agora só me falta ver o filme!
Já leram ou viram o filme? Que acharam??

Beijinho e boas leituras 





terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Opinião - O último conjurado de Isabel Ricardo

Sinopse:
Há sessenta anos que Portugal era humilhado pelos Filipes de Espanha. 

É então que um grupo de heróis decide revoltar-se. 

1640. O jugo espanhol dura há sessenta anos. Seis décadas de identidade roubada, pátria escondida e falsa lealdade. Mas algo está diferente: fala-se do enigmático Capitão Gualdim, que desafia o poder espanhol pelas ruas de Lisboa enquanto se conspira nas sombras e a guerra contra o domínio espanhol ameaça rebentar. Uma importante parte da nossa História ganha vida em O Último 

Conjurado de Isabel Ricardo, onde a realidade se cruza com a ficção. Duelos, emboscadas, amores e muito mistério envolvem as principais personagens, três jovens cavaleiros que vivem todo o tipo de aventuras. Um romance histórico que representa com rigor os factos ocorridos neste tão importante período da nossa História, enlaçado numa maravilhosa narrativa cheia de suspense.

Opinião:

Um livro cativante e muito bem escrito, que nos leva ao passado para reviver o domínio espanhol sobre o nosso país e a restauração da nossa independência. 
Através das aventuras de três amigos conjurados e do fantástico Capitão Gualdim, ficamos a conhecer parte da nossa história. Gualdim é um mascarado justiceiro sempre pronto ajudar quem mais precisa e a estragar os planos dos espanhóis e seus servidores. A sua identidade é um mistério que nos acompanha até as últimas páginas.
Isabel Ricardo com a sua escrita cativante e muito cuidada, dá-nos uma lição de história. É muito fácil e divertido aprender assim. A única dificuldade é parar de ler. 
Fantástico. Adorei! 

Bem... Só isto não chega...

Este é um livro muito fácil de ler e difícil de parar.
Assim que comecei a ler e me deparei com o mascarado e descarado Capitão Gualdim, uma mistura de Zorro e Robin dos Bosques, percebi que me esperava uma leitura recheada de momentos divertidos. Este Gualdim é uma verdadeira pedra no sapato para os malvados espanhóis e seus comparsas. 
A história não gira em torno deste personagem, mas sempre que há confusão é bem possível que o mascarado esteja envolvido. 
Um ponto a favor deste livro são as personagens. Apesar de ser um romance histórico, temos mulheres com forte personalidade e até a frente do seu tempo como D.Laura. As mulheres desta história são tão ou mais destemidas que os aventureiros e malvados, e agora que penso nisso, agrada-me :). D.Teresa protagoniza uma cena bastante angustiante e é sem duvida um dos momentos mais fortes do livro. 
A cumplicidade dos três amigos D.Pedro, D.Diogo e D.Afonso é digna de registo. E como há sempre um mauzão em todas as histórias, temos o D. Cristóvão que odeia de morte estes três amigos.

Pelo meio encontramos várias personagens de grande importância e com grandes revelações, mas têm de ler para conhecer.

Não é fácil resumir ou destacar todos os acontecimentos que acho relevantes neste livro. 
Importa saber que enquanto os amores e ódios acontecem, uma revolução é preparada em total sigilo. 
Há amores, ciúmes, um parto de cortar a respiração, uma revolução, mortes e a alegria de um povo que vê a sua independência reconquistada.

Leitura conjunta:

Esta foi uma leitura que tive o prazer de partilhar com outros leitores. 
O desafio foi lançado n'O Cantinho do Corvo Fiacha e foi uma experiência muito enriquecedora, Contámos com a presença da própria autora, Isabel Ricardo, o que tornou o desafio mais aliciante. Gostei muito da participação da Isabel e a sua disponibilidade para rir connosco, tirar dúvidas ou deixar-nos mais curiosos foi uma surpresa muito agradável. Pelo meio fiquei a saber que ela tem outros romances muito interessantes e espero que esta experiência se repita. 
Foi um prazer esta leitura conjunta!

Leiam romance histórico. É uma excelente forma de viajar no tempo e conhecer o nosso passado. Este é um género que gosto muito e é tão fácil aprende assim. 
Leiam autores portugueses!

Recomendo este livro, leiam O ÚLTIMO CONJURADO.

Boas leituras
 

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Opinião - O despertar da magia de George R. R. Martin


Sinopse:


A guerra pelos Sete Reinos continua e a batalha pela capital de Porto Real é a mais sanguinária de sempre. A frota de Stannis Baratheon vê-se encurralada em frente à cidade enquanto barcos carregados de fogovivo são enviados contra ela. Mas os sobreviventes conseguem levar o combate até às muralhas da cidade e todos os sitiados terão de lutar pela vida. Só quando os exércitos dos Tywin e dos Tyrell chegam, um dos lados será definitivamente esmagado. Mas num mundo de traições constantes, quem será que eles irão apoiar?



No Norte, os Stark estão entre a espada e a parede. Várias das suas fortalezas são atacados pelos temíveis homens de ferro e até o castelo de Winterfell é conquistado pelo traidor Theon Greyjoy. Bran e Rickon conseguem fugir, acompanhados por Hodor e alguns companheiros, mas que futuro terão duas crianças numa terra ameaçada pelo Inverno?

Para lá da Muralha, Jon oferece-se para acompanhar um grupo de batedores enviado para encontrar os selvagens, enquanto a principal força da Patrulha da Noite se fortifica junto às montanhas. Mas as coisas correm mal e Jon terá de escolher entre a morte... ou a traição aos seus irmãos!

Opinião:

Gostei bastante deste volume. As personagens continuam a crescer e a história está cada vez melhor.
Este é um livro com mais acção, mais sangue e mais traições. 

A medida que avançamos na leitura, muitas personagens vão aparecendo assim como locais onde se travam batalhas, ou simples locais de passagem e isso pode tornar-se confuso. É muita coisa a acontecer e nem sempre consegui fixar certos pormenores importantes.

Alguns momentos altos deste livro são para além dos referidos na sinopse; a visita de Daenerys a Casa dos Imortais, onde procura obter concelhos e acaba por ter várias visões do futuro e do passado, um aviso e ouvir uma profecia e os capítulos Arya Stark no castelo de Harrenhal.

Cada vez gosto mais de Arya e a sua evolução é enorme. Determinada, corajosa, inteligente, líder... é uma miúda fantástica e uma personagem muito bem trabalhada. Estou muito curiosas para ver o rumo que vai levar. 

Tyrion apanha um valente susto neste livro e apesar de temer pela sua vida, tenho de tira-lo do pedestal. Apesar do seu papel importantíssimo na batalhe de Porto Real, não me entusiasmou tanto como nos livros anteriores, mais por mérito de outras personagens. 

Uma personagem que até ao terceiro livro não me encantava muito era Catelyn e neste livro conseguiu tocar o meu coração e ganhei um pouco de admiração. Também estou muito ansiosa para saber como se vai aguentar esta mãe corajosa.

Tenho de falar de
Theon Greyjoy, que continua a surpreender, não só pelo palerma que é mas pelas coisas que lhe acontecem. Será possível sentir raiva e pena pela mesma pessoa? Eu tenho esperança que ele atine apesar da sua atitude condenável. Viu as duas faces da traição e pode ser que o autor ainda lhe dê um final digno. Mas muita tinta ainda vai correr.
A sua irmã Asha volta a aparecer e estou a gostar tanto dela! Espero mais cenas dela, estou a ficar fã. É ela que usa as calças e põe o irmão na ordem com uma pinta genial.

Para terminar, toda a cena que começa a envolver os irmãos Stark e os seus lobos estão a deixar-me muito intrigada e está a deixar a história muito cativante. Veremos se Arya se volta a encontrar com o seu lobo e como Sansa vai reagir sem o seu...

Possivelmente ficou muita coisa por dizer mas podes dar o teu contributo nos comentários. Por vezes posso não entender alguma cena ou escapam pormenores e é bom a troca de ideias.

Aguardamos cenas dos próximos capítulos. Até lá, beijinhos e boas leituras!!!


terça-feira, 4 de novembro de 2014

TAG Sua vida em livros - Um desafio em conjunto com o Pirata

Olá!!

Assim só para descontrair, trago-vos uma TAG. 

Não costumo fazer muitos desafios, mas já a algum tempo que andava a espera de encontrar um que pudesse fazer com o meu filho. É mais divertido! 
Acho estas Tag's uma óptima forma de dar a conhecer novos livros, incentivar o meu filho a mexer nos livros dele e ter orgulho neles e principalmente divertir-me com ele. É um jogo divertido, saudável e não custa dinheiro. Espero que gostem! 


Descobri esta Tag no blogue Ninhada Literária que podem visitar aqui , e ver também as origens da Tag. 

1) Escolha um livro para cada uma de suas iniciais.

A mãe
Pensei que não ia conseguir, mas a Rita Ferro está bem representada na minha estante e lá me safou.
Tenho aqui quatro livros que nunca li...
O Cidades de Papel, até tenho em Inglês, mas nunca cheguei a ler. Ouvi dizes que está a ser adaptado para o cinema e só devo ler na altura que tiver para estrear. 

O Pirata
O pirata teve mais dificuldade e eu deixei fazer uma pequena batota. Adoro aquele livro do Rodolfo, é muito fofinho ;)

2) Conte sua idade pelos livros de sua estante: qual é o livro?



O Livro do Pirata tem um dos nossos apelidos! Mas, agora o que conta é a nossa idade. Este é o nono livro da sua estante.
O livro que corresponde a minha idade é mais um dos que esperam que eu decida ler. Já ouvi várias entrevistas com o autor e é alguém que quero muito ler.

3) Encontre um livro ambientado em sua cidade/estado/ país:


Não podíamos escolher melhor! O Pirata escolheu uma história passada na nossa Serra da Estrela e eu "roubei" roubei um livro da estante dele, pois não tinha nada para apresentar. Ainda procurei o meu livro de projecto de área-escola da primária, que elaboramos durante quatro anos, mas não encontrei. Esse é sobre a nossa aldeia.

4) Escolha um livro que se passe em um lugar que gostaria de conhecer:


O Pirata disse que escolheu o Naruto porque é japonês e gostava muito de ir ao Japão. 
Eu acho que já perdi a inocência e a capacidade de sonhar, fico-me por Penafiel e Santiago de Compostela.

5) Escolha a capa de um livro com sua cor favorita: 


O Pirata escolheu os 102 Dálmatas, gosta muito da cor azul e de dálmatas.
Eu estava um pouco indecisa, não tenho propriamente uma cor favorita, mas gosto de azuis, cinza e roxos. Este livro é uma boa escolha.

6) Que livro te traz boas lembranças?


O Pirata adora adora a série Como treinares o teu dragão, os filmes, os desenhos animados e os livros. Como eu o compreendo, até eu gosto e de vez em quando vemos os filmes. É bom saber que o livro lhe trás boas recordações e significa também que não guarda remorsos pelas vezes que adormeço no sofá.
Eu escolhi O Mundo Amarelo de Albert Espinosa.Li numa altura da vida especial e motivou-me bastante. Era uma fase de mudança e o livro marcou-me. Aconselho toda a gente a ler.

7) Qual livro você teve mais dificuldade em terminar?


Apesar de gostar muito de cães o Pirata não se interessou muito pelo livro, acabou por deixar pelos cantos da casa e não sei se acabou de ler. ele diz que sim, mas já não lembra da história :P
A minha escolha é óbvia. Uma das minhas ultimas leituras que fiz por "obrigação".
Já agora, desculpem a foto, não sei o que se passou e apaguei o original. É a foto do massacre literário

8) Que livro ainda não lido lhe trará a maior sensação de "missão cumprida"?


Dois livros emprestados, dois culpados e uma enorme vergonha!! O livro que o Pirata tem de ler para devolver ao professor e o livro do Centro Paroquial que estou a ler a quase dois anos. 
Que vergonha!!!


É isto a nossa TAG. 

Espero que tenham gostado e sintam-se a vontade para fazer também. Eu conheço poucos blogues e não sei se costumam aderir a estes desafios, mas se gostam e acabarem por fazer este, avisem para eu ver. Se conhecem outras TAG desse género partilhem.
Aceito dicas, criticas e qualquer coisa que me ajude a evoluir ;)

Beijinho 










segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Opinião - A Fúria dos Reis de George R. R. Martin


Sinopse:

O terceiro volume de As Crónicas de Gelo e Fogo, a melhor série de fantasia da actualidade. 

Quando um cometa vermelho surge nos céus de Westeros encontra os Sete Reinos em plena guerra civil. Os combates estendem-se pelas terras fluviais e os grandes exércitos dos Stark e dos Lannister preparam-se para o derradeiro embate. No seu domínio insular, Stannis, irmão do falecido Rei Robert, luta por construir um exército que suporte a sua reivindicação ao trono e alia-se a uma misteriosa religião vinda do oriente. Mas não é o único, pois o seu irmão mais novo também se proclama rei, suportado por uma hoste que reúne quase todas as forças do sul. Para pior as coisas, nas Ilhas de Ferro, os Greyjoy planeiam a vingança contra aqueles que os humilharam dez anos atrás.O Trono de Ferro é ocupado pelo caprichoso filho de Robert, Joffrey, mas quem de facto governa é a sua cruel e maquiavélica mãe. Com a afluência de refugiados e um fornecimento insuficiente de mantimentos, a cidade transformou-se num lugar perigoso, e a Corte aguarda com medo o momento em que os dois irmãos do falecido rei avancem contra ela. Mas quando finalmente o fazem, não é contra a cidade que investem...O que os Sete Reinos não sabem é que nada disto se compara ao derradeiro perigo que se avizinha: no distante Leste, os dragões crescem em poder, e não faltará muito para que cheguem com fogo e morte!

E continuam as aventuras por terras de Westeros. 
Em comparação com os volumes anteriores, este tem mais acção e acontecimentos surpreendentes, mas segundo me consta não é dos mais interessantes da saga... Isso quer dizer que o melhor está para vir.
Tyrion e Arya continuam a ser os meus favoritos e ainda não foi desta que Daenerys Targaryen me conquistou nos livros.
Neste volume temos um cometa com uma enorme e incandescente cauda. Cada povo tem a sua crença e superstições e vai ser interessante perceber o que cada um pensa a respeito desse fenómeno. 
O Inverno está a chegar e com ele a guerra que se espalha por todo o reino.
Joffrey sobe ao trono, mas é a sua mãe que assume o poder. Poder esse, controlado por Tyrion. Alguém tem de por ordem naquela casa. Mas será ele capaz?
Enquanto isto, os dragões de Daenerys Targaryen crescem de boa saúde e ela continua decidida a reconquistar o trono que supostamente é seu de direito.
Para além de Jofrey, mais três "reis" lutam pelo poder e a guerra continua a espalhar-se pelo reino. Mas esta guerra não se faz só com espadas e forças ocultas começam a surgir, forças que o ferro e aço pouco podem fazer para conter. Qual será o primeiro rei a cair? 
Esta série promete e mais uma vez convido todos para ler. É mesmo fascinante!!

Beijinho e boas leituras!



quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Opinião - Os mistérios de Santiago de Raul Minh'alma



Sinopse:
Vila Cave, uma aldeia moribunda perdida no Douro, tão mortiça e sem cor. Talvez por isso a natureza lhe tenha dado uma flor. Uma flor com mais cores que as restantes juntas, uma flor que sem querer ali floria, que ali então crescia, mas que ali não iria morrer. Era uma flor diferente, era um ser carente, era tanto que se tornava incógnito. Era uma dúvida, uma incerteza, uma esperança indecisa na ânsia de acordar. Era o medo de alguém, era a indiferença de outros, mais que um mistério, era um segredo, e esse segredo tinha um nome, e esse nome era Santiago.

Opinião:

Confesso que a minha opinião foi variando ao longo da leitura. A minha expectativa a cerca desta história era alta e antes de começar a ler já tinha criado alguma simpatia por Santiago. Foi uma leitura com altos e baixos e por momentos achei que ia ser uma desilusão mas felizmente isso não aconteceu e acabei por gostar. 
O livro tem um inicio muito forte e até meio li com bastante entusiasmo, depois o ritmo foi-se perdendo, a história também e comecei a reparar mais nos pontos negativos da escrita do autor do que na história em si. Talvez por não ter gostado do rumo que escolheu para Santiago a dada altura, senti-me um pouco desiludida, nem sei se com o Santiago ou com o Raul Minh'alma. 
Nos últimos capítulos a história ganhou ritmo e gostei do final.

Esta história inicia-se na década de 80. Santiago era uma criança que apesar de tenra idade a vida já o marcava a cada dia que passava. Vítima de violência e exploração por parte do pai, Santiago só encontrava algum carinho junto de Helena, a sua ama e protectora e do seu fiel amigo, Patusco, o cão. Apesar destas dificuldades, Santiago encarava a vida com um sorriso e sentia que era seu dever ajudar toda a gente, incluindo o pai. Helena teve um papel muito importante na educação e formação de Santiago e a cada ano que passava, este tornava-se uma criança cada vez mais inteligente, bondosa e especial... muito especial.
Leninha, como era tratada por Santiago, oferece ao seu protegido, um diário. Ao inicio não lhe dá grande importância, mas a certa altura não se vai separar dele, será o seu confessor e chave para desvendar alguns mistérios.
A vida de Santiago vai dar muitas voltas. Revelações, tragédias, mudanças inesperada e mistérios a cerca da sua própria vida vão surgindo ao longo do história. 
É uma longa caminhada onde vai encontrando amigos a quem deixa a sua marca, o seu sorriso, amizade e incentivo para que não desistam dos seus sonhos.
Apesar da vida ser tão dura com Santiago ele não se deixa endurecer e continua com o seu coração generoso. Talvez por isso a vida o tenha recompensado e dado uma grande oportunidade.

Alguns acontecimentos são completamente inesperados e apanharam-me de surpresa. Também não esperava certas atitudes desta criança e por momentos senti vontade de lhe puxar as orelhas.
É verdade que não concordo com o rumo que a certa altura o autor escolher para aquele menino, mas acabei por compreender no fim qual a sua ideia. 

Quanto a escrita do autor, achei simples mas por vezes dava-me a impressão que os pensamentos de Santiago se misturavam com os seus e divagava um pouco. Não considero errado, entendo a mensagem que o autor queria passar, mas por vezes tornava a leitura um pouco lenta lenta. 
Outro ponto que acho que faltou trabalhar mais, foram os diálogos, alguns não gostei e fez-me confusão o uso de certo vocabulário, tendo em conta que eram crianças e de classe baixa.
São pormenores que se vão trabalhando com o tempo e espero que este não tenha sido o único livro de Raul Minh'alma.  

Um ponto muito positivo neste livro é mesmo a personagem principal, o autor consegue logo de inicio criar uma empatia entre Santiago e o leitor. Gostei muito de conhecer o Santiago e apesar de se ter portado um pouco mal guardo uma certa ternura por aquele menino de olhos verdes. Gostei do seu final.

No geral é um livro que se lê muito bem e recomendo. É uma história cheia de mistérios que o protagonista precisa resolver para saber quem é. Mostra a importância de conhecer alguém antes de julgar e do perdão para fazer as pazes com o passado e seguir em frente com mais esperança. É um livro que fala de destino e de sonhos.

E tu...? Qual é o teu sonho?

Boas leituras!

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Opinião - Crónicas de Gelo e Fogo de George R. R. Martin, Livros I e II

   Olá!

   Desde o inicio do verão que ando a ler As Crónicas de Gelo e Fogo de George R. R. Martin e estou a adorar imenso. 

   Vi a série televisiva até à terceira temporada e estava mesmo viciada (nota-se pelo nome do meu blogue), mas decidi parar de ver série e começar a ler os livros. Quero ver as restantes só depois de ler.

   Já esperava uma grande leitura, pois toda gente que já leu, aconselha. 
  
  Tinha algum receio de não decorar todas as personagens e cenários, pois já acontecia com a série. É muita gente e muita coisa a acontecer ao mesmo tempo e em locais diferentes, mas ao contrário do que esperava não estou a ter grandes problemas com isso. Confesso que de vez em quando me perco por Westeros, mas acabo sempre por não me atrapalhar e não perder na história. Quando tenho alguma dúvida tiro-a rapidamente na net. (cuidado para não lerem de mais). 
  Se este caso não me fez parar muitas vezes de ler, as personagens sim. Ter visto a série, ajuda na montagem das cenas na minha mente, mas levou a que eu não conseguisse avançar quando aparecia uma personagem nova e não conseguia visualiza-la. Agora já leio mais descontraidamente mas no inicio era quase obsessivo. 
   Ainda vou de vez em quando à Wikipedia tirar umas dúvidas, e já agora quero dar os parabéns a quem faz esse trabalho pois dá-me imenso jeito. :)

  Desta vez vou falar dos dois primeiros livros. Já estou a meio do terceiro e devia ter começado a falar destas crónicas há imenso tempo, mas fui  esquecendo adiando.

Sinopse: O primeiro volume de As Crónicas de Gelo e Fogo, a melhor série de fantasia da actualidade. 

Quando Eddard Stark, lorde do castelo de Winterfell, recebe a visita do velho amigo, o rei Robert Baratheon, está longe de adivinhar que a sua vida, e a da sua família, está prestes a entrar numa espiral de tragédia, conspiração e morte. Durante a estadia, o rei convida Eddard a mudar-se para a corte e a assumir a prestigiada posição de Mão do Rei. Este aceita, mas apenas porque desconfia que o anterior detentor desse título foi envenenado pela própria rainha: uma cruel manipuladora do clã Lannister. Assim, perto do rei, Eddard tem esperança de o proteger da rainha. Mas ter os Lannister como inimigos é fatal: a ambição dessa família não tem limites e o rei corre um perigo muito maior do que Eddard temia! Sozinho na corte, Eddard também se apercebe que a sua vida nada vale. E até a sua família, longe no norte, pode estar em perigo. Uma galeria de personagens brilhantes dá vida a esta saga. Entre eles estão o anão Tyrion, a ovelha negra do clã Lannister; John Snow, um bastardo de Eddard Stark que, ao ser rejeitado pela madrasta, decide juntar-se à Patrulha da Noite, uma legião encarregue de guardar uma imensa muralha de gelo a norte, para lá da qual cresce uma assustadora ameaça sobrenatural ao reino. E ainda a princesa Daenerys Targaryen, da dinastia que reinou antes de Robert Baratheon, que pretende ressuscitar os dragões do passado e, com eles, recuperar o trono, custe o que custar. 

Sinopse:
Estes são tempos negros para Robert Baratheon, rei dos Sete Reinos. Do outro lado do mar, uma imensa horda de selvagens organizou-se para invadir o seu reino. À frente deles está Daenerys Targaryen, a última herdeira da dinastia que Robert massacrou para conquistar o trono. E os Targaryen são famosos pelo seu rancor e crueldade... Mais perto, para lá da muralha de gelo que se estende a norte, uma força misteriosa manifesta-se de maneira sobrenatural. E quem vive à sombra da muralha não tem dúvidas: os Outros vêm aí e o que trazem é bem pior do que a própria morte... Ainda mais perto, na Corte, as conspirações continuam. O ódio entre as várias Casas aumenta e desta vez o sangue vai jorrar. E quando parece que nada pode piorar, o rei é ferido mortalmente numa caçada. Terá sido um acidente ou um assassinato? Seja como for, uma coisa é certa: a guerra civil vem aí! 

George R. R. Martin prova porque é o maior escritor de fantasia da actualidade. Com uma imaginação poderosa, escrita inteligente e personagens cativantes, volta a deixar o leitor rendido e a ansiar por mais. Se gosta de um romance histórico épico, de um thriller arrepiante, de uma aventura emocionante, de uma fantasia credível e, em suma, de uma grande leitura... então este livro é para si.

Opinião:

Apesar de se tratarem de dois livros, posso fazer uma opinião geral. 
É fascinante este universo criado por Martin. 
Apesar de nestes dois volumes o autor só ter levantado uma pontinha do véu, deu para conhecer grande parte das personagens principais e as suas intenções. Digo isto com algumas reservas pois já estão 10 livros editados (em Portugal e 5 na versão original) e muita tinta vai rolar. Cabeças também... De um momento para o outro tudo pode mudar e entram novas personagens que vão crescendo ao longo da história.

Estes dois volumes são um excelente inicio da série. Na minha opinião no primeiro apenas começamos a conhecer o continente de Westeros, os seus reinos e as respectivas casas e é no segundo que começa a haver alguma acção e episódios inesperados.
Os reinos são regidos pelo rei Robert Baratheon, casado com Cercei Lannister, uma mulher fria, calculista com sede de poder. 

Sinto-me tentada a contar um pouco da história, mas isso ia obrigar-me a falar das famílias e um pouco da sua história. Ia ser maçador e para escrever por tópicos não vale a pena, uma vez que podem encontrar essa informação em vários sites e blogs. 

É uma série com personagens muito fortes, bem elaboradas e apaixonantes, que aliadas à magnifica descrição de Westeros, tornam esta série tão rica e apaixonante. Há de tudo aqui menos verdades absolutas. 

Há reis, dragões, lobos gigantes, corvos, mortos vivos e anões. Para já!

Há um anão, Tyrion Lannister, que é a minha personagem favorita. Sim, é irmão da besta, mas vai surpreender toda gente. genial este personagem.
Também gosto muito da Arya Strark(filha de Eddard Stark) e Jon Snow (bastardo de Eddard Stark). Este último por influência da série, pois nos livros ainda só ganhou a minha simpatia.

É uma série que recomendo vivamente. Apesar do enorme número de personagens, castelos, cidades e montes, lê-se muito bem. 
Os livros contêm mapas e apêndice personagens que são uma enorme ajuda.

Não percam tempo e leiam estas "Crónicas de Gelo e Fogo".

Neste momento estou a terminar o terceiro livro e espero trazer uma opinião bem melhor que esta. Gostava de me dedicar mais, mas o tempo não é muito. Espero que ao menos se sintam curiosos e tentados a ler :)

Beijinho e boas leituras


terça-feira, 14 de outubro de 2014

Textos do Pirata #1 - O Rei dos Sete Mares

O rei dos sete mares

Era uma vez um rei, o rei dos sete mares.

Aquele rei era Neptuno, ele tenha um tridente grande com o poder dos sete mares.
Um dia uma bruxa malvada tentou roubar o tridente mas os guardas de Neptuno avisaram-no a tempo. Neptuno ficou furioso e lançou uma tempestade sobre ela. Protegeu o tridente, mas ela conseguiu escapar.
Depois de alguns anos, Neptuno teve três filhos. Um deles era bondoso e os outros dois eram malvados como a bruxa.
Quando os três filhos fizeram dezasseis anos os dois malvados juntaram-se à bruxa para roubar o tridente.
 A bruxa sabia que usando os filhos de Neptuno poderia ter a posse do tridente e dos sete mares.
O filho bondoso ouviu os dois irmãos malvados a planear roubar o tridente e foi logo avisar Neptuno mas ele não acreditou no filho.
À noite os dois filhos malvados roubaram o tridente e deram-no à bruxa.
O filho bondoso como ouviu o plano deles foi à caverna da bruxa e sorrateiramente retirou o tridente e devolveu ao seu pai Neptuno.
Ele expulsou os filhos malvados dos sete mares e tornou o seu filho bondoso rei do mar Atlântico.    
FIM

Autor: Pirata  Data: 14/10/2014


E foi mais uma contribuição do Pirata no blog da mãe. E que orgulhosa ela está!

Pirata tem imaginação para dar e vender, mas a sua caligrafia é de bradar aos céus. Para resolver esse problema tenho insistido com ele para escrever mais, composições, ditados ou simplesmente grafismos.

Na semana passada pedi para escrever uma história, tema livre e ele decidiu escrever sobre um herói. 
Gostei do resultado! 

Corrigimos os erros e algumas frases para tornar a história mais clara, e ficou assim a história. 
Esta semana levou o texto para a escola. Chegou todo orgulhoso com a aceitação que teve que pediu para partilhar aqui para todos verem.

Ainda pensei tirar uma foto ao original, mas o Pirata quis escrever no PC. Uma mãe agradece sempre uma hora de silêncio em casa ;)

Espero que tenham gostado!

Beijinho
Boas leituras!!


sábado, 4 de outubro de 2014

Opinião - Não me contes o fim de Rita Ferro

Que livro sensacional!!! 

Sinopse
Perante um impasse amoroso e um quadro familiar decadente, Lara troca a cidade do Porto por um trabalho temporário num clube de férias, no Brasil. Na ilha, torna-se inseparável de um grupo de amigos de várias nacionalidades com quem explora os prazeres do sexo e da transgressão e se envolve numa tragédia local, ocorrida entre as nativas, que conduzirá a um suicídio em série. Entretanto, o namorado abandonado do Porto chega à ilha com uma delegação de jornalistas para investigar o enigma. Uma história avassaladora da primeira à última página, que devassa a intimidade feminina para repensar valores como o casamento, a família, a maternidade e a liberdade.


   Há muito que queria ler algo da Rita Ferro. Já era sua fã nas Conversas de Rapariga, programa da Antena 3, mas ainda não tinha lido livro nenhum. 
  Este livro é fantástico. Não me desiludi nada com a autora e ainda a admiro mais agora.

   A sinopse já diz muito do que se passa no livro, não vou revelar muito mais, para não estragar a surpresa. Eu não tinha lido a sinopse e todo o livro foi uma grande surpresa. É um convite à reflexão. Dei por mim a parar várias vezes de ler e ficar a pensar no que tinha lido. Revi-me muitas vezes nos pensamento de Lara. Há uma situação no livro que me toca em particular e sem estar a espera emocionei-me algumas vezes.
   
   Lara vem de uma família modelo e à medida que avançamos no livro somos surpreendidos com acontecimentos trágicos e inesperados. Foram todos estes acontecimentos que a deixaram num estado caótico e a levaram a abandonar o país, aproveitar uma oportunidade de se fortalecer e encontrar um rumo para a sua vida. 
   Estes factos vamos conhecendo ao longo da leitura. Ao inicio ela fala sobre os seu colegas de trabalho, o seu novo grupo de amigos, sua nova família. Todos muito diferente e com histórias que nos levam a pensar na vida e no nosso carácter. 

   É um livro que trata de assuntos como a religião, o sexo e a família, de forma muito crua, prática, real e profunda. É um romance, que me surpreendeu tanto... Um dos melhores livros que li este ano e nunca vou esquecer. É mais um livro que me ajudou a arrumar pensamentos e a ver que não sou a única a ter a mesma opinião sobre certos assuntos. 

  Aconselho a toda a gente a ler, mas considero um livro para pessoas maduras, tenho a certeza que em algum momento vão rever-se num pensamento de Lara. 
  Adorei a escrita de Rita Ferro. Já parava tudo para a ouvir, com a leitura passou-se o mesmo. É muito cativante e consegue prender-nos, arrebatar-nos e fazer viver todos os acontecimentos com as personagens. 

   Adorei, achei espectacular e avaliei com 5* no Goodreads.

  Beijinho


sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Uma década de novas oportunidades

 

   Ela tinha tudo para dar errado!
   Ainda mal tinha começado a sua juventude e já esta era interrompida abruptamente. 
   Em boa verdade acho que ela tinha tudo para dar certo, mas acabava sempre por fazer as coisas ao contrário.
   Podia ter continuado a ser uma aluna excelente, mas preferiu ser preguiçosa. Não precisava estudar muito para ter notas razoáveis e notas razoáveis chegavam para quem andava a estudar por estudar.        Podia ter terminado o liceu mas no primeiro 11ºano achou que não fazia mal nenhum ficar algumas vezes com os amigos pelo café. Tinha boas notas e os professores iriam perdoar. Correu mal! Leu Os Maias durante as férias da páscoa e quando chegou à escola estava chumbada por faltas. Ela nem gostava muito de ler...Talvez por isso aquele seja um dos livros mais marcantes da sua vida. 
   Durante a primeira fase da sua vida foi assim, vendo passar o tempo. Levava a vida tranquilamente. Não sabia o queria fazer no futuro e isso libertava-a de certas preocupações, como os estudos. 
   Tinha amigos, uns trocos para café e cigarros e não arranjava confusões em casa e na rua. Nada fazia prever o que veio a acontecer.
   Ela achava que mal nenhum lhe podia acontecer, não fazia mal a ninguém e não havia razão para ser castigada. Por vezes brincava mesmo com a sorte. Até ao dia em que o chão se abriu debaixo dos pés e se viu numa queda, desamparada, sem fim a vista…

***
   Os bebés são seres adoráveis e enchem de alegria qualquer casa. No entanto também podem ser um grande problema, uma tragédia, um inconveniente… principalmente quando os pais são jovens e não têm a mínima vontade de partilhar uma casa. Aliás, porque haveriam de pensar em tal coisa, com uma juventude toda para viver?
   Ela tinha tudo para dar certo, mas brincou com a sorte.
  A maior sua maior desgraça é hoje a sua maior alegria. Fonte de inspiração, motivo para viver e lutar por dias sempre melhores, companhia, razão para levar uma vida o mais correcta possível (educar com exemplos e esconder bem qualquer desvio) e o seu maior desafio. Mas nem sempre foi assim…

***
   Depois de se ver em queda livre, adormeceu num sono estranho. Um choque que lhe causou uma inércia total, uma sensação inexplicável. 
   Sem vontade de viver, sem noção de nada, fez tudo que lhe disseram, o que era suposto fazer nestes casos. 
   Bem, o caso dela é como tantos outros e realmente aconteceu o que era suposto. Uma separação… mais tarde. 
   Foram precisos quatro anos para cair no chão e começar a perceber o que se tinha passado com ela.    Estava tudo errado, estava tudo um caos. 
  Durante este tempo todo, a única coisa boa que conseguia ver era o facto de estar empregada, na sua aldeia, a poucos metros de casa e do infantário do filho. Que sorte teve! Nem procurou. Tinha o filho dois meses quando lhe bateram a porta para oferecer trabalho. Trabalho esse que mantém a quase uma década. 

   O Jogo mudou. 

   Agora, tinha tudo para dar errado.
   Ela tinha tudo para dar errado. 
  Podia ser mais uma mãe desesperada, incompreendida, revoltada e amargurada, mas a vida tinha outros planos para ela.
   Ela podia ter dado ouvidos aos mexericos e malditos e enfiar- se em casa a fazer bordados para enfeitar paredes, levar uma vida tranquila, ser invisível e ficar fechada em casa a lamentar-se. Assim ninguém ia falar, ninguém se ia lembrar, ninguém se ia importar. 
   Ela disse, “Basta!! Agora quem cuida da minha vida, sou eu.” Não é um processo fácil quando não se sabe o que se quer.
   Ela podia ficar em casa apática, a fumar cigarro atrás de cigarro, a olhar para as chamas na lareira, a ver a madeira transformar-se em cinza, a ver a sua vida queimar sem tirar proveito nenhum… 
   Ela nem acabou o liceu e isso começava a pesar-lhe na consciência. Senão tivesse chumbado aquele ano por faltas... Podia ter feito o 12ºano sem grandes problemas, mas ficou a um ano de terminar o liceu e isso era a sua marca, o seu falhanço. (agora as metas já tinham alguma importância). Sem estudos, sozinha, com um filho para criar e educar, numa aldeia sem futuro… podia não dar errado mas não ia ser bom de certeza.

   Que futuro a esperava?
  
  Descobriu então que existia uma possibilidade de completar os estudos, algo chamado Novas Oportunidades. Caso aproveitasse ficaria com equivalência ao 12ºano. Nem pensou duas vezes, estava na hora de voltar a aprender e por o cérebro a funcionar.
   Estava tão enganada! Não aprendeu nada de novo. 
   Ela não aprendeu nada de novo, mas esta etapa mudou a sua vida para sempre.
   Como todos os que passaram por este plano, teve de escrever um “livro”, falando da sua vida e suas competências.
  Todo este processo acabou por ser de certa forma terapêutico. Voltar atrás no tempo, mexer em memórias, reviver a sua vida antes de todo aquele pesadelo fez-lhe bem. Também foi fundamental ter alguém a dar-lhe valor e incentivo para acordar para a vida e dar uso às suas capacidades, foi renovador. Ela gosta de pensar como reagiria o professor se soubesse que agora tem um blogue, que gosta de ler e escrever, que saiu de casa e se envolveu na comunidade e já consegue ter um discurso mais claro (sim porque a mente dela é cheia de frases sem ligação, pensamentos desarrumados e não se conseguia exprimir).
   A menina que entrou na sala pela primeira vez sem falar, alheada do mundo, saiu renovada e cheia de vontade de mudar o seu rumo. 
   Ela gostava de ficar sentada à lareira a fumar e contemplar as chamas, mas um dia fartou-se.   Decidiu sair de casa e mostrar-se ao mundo, mostrar que era capaz, que queria deixar uma marca e sentir-se bem na comunidade. Não era nenhuma doida varrida e muito menos coitadinha. Bem, fazia alguns disparates mas era muito mais que isso.
   Ela podia ter ficado sossegadinha em casa a ver Tv com o filho, mas decidiu juntar-se a um grupo de jovens que achava que podia fazer coisas extraordinárias na comunidade; passou a ajudar o pai no grupo coral (duvido que se converta, mas faz o seu papel com muito respeito e empenho); criou com um amigo um grupo para ensinar jovens a tocar viola ( (A)CORDA) e com o tempo foi descobrindo o seu lugar na comunidade. 
  Todas estas tarefas interferiram com a sua vida e foi preciso algum sacrifício e método para não falhar com as suas responsabilidades.
   Durante todo este tempo cresceu imenso. 

***
   Os últimos anos que passaram foram tão confusos… Mudei tanto…
   Também cometi alguns erros e a maioria não me arrependo. Não são eles que me definem. Não sou o que passei e sim o que superei. Fazer as pazes com o passado é fundamental.
   Descobri no meu filho, na música, na leitura e na convivência com os outros, o segredo para me manter firme. Dedicação. Dedicar-me a tudo e todos que gosto, dá-me alegria e energia. Tudo fica mais fácil de suportar e deixamos de inventar problemas. Deixei de ser má companhia para mim.
   Deixei também de fumar e agora já não consigo estar muito tempo a olhar para a lareira, a não ser que me perca a ler um livro. Os livros são a minha nova companhia, terapia e inspiração.
   Descobri há pouco tempo este mundo maravilhoso da literatura e para meu orgulho já contagiei o meu filho (o Pirata)
  Descobri uma nova paixão. Descobri também que é impossível juntar muito dinheiro quando se gosta tanto de livros. Mas não está mal, troquei cigarros por livros.
   Viverei mais anos sem dinheiro, mas terei sempre livros…

Quero agradecer o Fiacha por me desafiar a escrever um texto para o seu blog.
Adicionem!! É um oásis para quem gosta de literatura http://leiturasdofiachaocorvonegro.blogspot.pt/

Decidi falar de mim. 
Raramente o faço, apesar de ter alguma vontade. Não é fácil falar de mim. Não gosto de me queixar e se falo bem de mim, como um caso de sucesso, tenho receio de ser mal interpretada, Mas aceitei este desafio e aproveitei para reviver mais uma vez o passado e fez-me bem. Modéstia a parte, tenho muito orgulho de mim ;)
Obrigado por lerem tudo até ao fim. 

Beijinhos

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Férias a passear 3# - Viagem ao coração do xisto, Casegas e Sobral de S. Miguel

Olá!

Continuo a relatar os meus passeios nas férias e desta vez venho falar de duas aldeias do meu concelho. Na verdade foram visitas muito rápidas, de passagem. Desta vez não podíamos demorar a tarde inteira e fomos apenas tentar a sorte com mais umas caches. 

Tínhamos em mente fazer 6 ou 7 caches mas depois de  uma tentativa falhada e muita chuva, apenas conseguimos encontrar três. Valeu pelo passeio.
Apesar de serem aldeias que fazem limite com a minha, são terras onde raramente passo. Quando se fala de limites por aqui estamos a falar de distancias muitos grandes.

Seguimos então para Casegas com uma paragem em Paúl para tentar a sorte num local da ribeira. Tentativa frustrada. Depois de algum tempo a procurar, a maldita não apareceu. Abandonámos o local, pois a chuva ameaçava cair e o terreno que pisávamos estava escorregadio e ninguém queria tomar banho naquela hora.


Falarei do Paúl em outra ocasião. É sem dúvida uma aldeia cheia de história e riquíssima em recursos naturais, nomeadamente a ribeira. Ao longo do leito podemos encontrar locais magníficos.  Deixo apenas algumas fotos e a promessa de uma publicação futura.  

De novo na estrada e rápido chegamos a Casegas.

Casegas - (byW) Casegas foi uma freguesia portuguesa do concelho da Covilhã, com 41,16 km² de área e 425 habitantes (2011). Densidade: 10,3 hab/km².
Foi extinta em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional, tendo sido agregada à freguesia de Ourondo, para formar uma nova freguesia denominada União das Freguesias de Casegas e Ourondo da qual é a sede.

Peço desculpa pela descrição tão pobre mas não estivemos tempo suficiente para conhecer melhor a aldeia, ficam apenas as imagens. (A panorâmica "roubei" algures na net.)


Cache encontrada, seguimos para Sobral de São Miguel. Pelo caminho encontramos mais uma cache e muitos medronhos já prontinhos para serem colhidos para fazer aguardente.


Sobral de São Miguel - O slogan da aldeia “O coração do xisto” não é inocente. Esta aldeia será um dos maiores aglomerados de edifícios em xisto de Portugal.Porém, a grande maioria das construções encontra-se rebocada e pintada predominantemente de branco.

Daqui se exporta xisto para o mundo, mas a matéria prima não se fica por aqui.
Começando no património gastronómico – na aldeia pode provar desde ginja, até pica de chouriço, sardinha ou bacalhau, passando pelo mel e pelo pão de forno a lenha – a aldeia tem ainda para oferecer um património cultural e artístico.
Sobral de São Miguel também proporciona uns bons passeios. Quer sejam através das ruas e quelhas da aldeia, ou acompanhando o curso da Ribeira do Porsim.

A aldeia possui uma vasta envolvente de novas construções, pelo que devemos orientar a nossa visita para o núcleo mais antigo. Aí o casario acompanha as curvas mais ou menos pronunciadas da ribeira, elevando-se como que em escadaria, encosta acima. Os arruamentos são quase sempre paralelos à ribeira, sendo ligados por inúmeras quelhas com degraus ou por ruelas inclinadas que procuram contornar as habitações. Estas são quase sempre justapostas, não havendo espaço para quintais. De dois ou três pisos, a altura dos edifícios cria ruas onde, mesmo durante o dia, predomina a sombra.


Ainda não visitei o Sobral por muito tempo, mas lembro-me da primeira vez que entrei nesta aldeia. Assim que vi as casas de xisto senti-me num mundo a parte. É uma aldeia lindíssima que vale muito a pena visitar. É rica a sua história, património e cultura. Apesar de ter uma população maioritariamente envelhecida, os jovens não perdem as suas raízes e empenham-se verdadeiramente para manter viva a aldeia. É de louvar o trabalho comunitário que é feito por lá. Vejo isto que digo à distancia, principalmente pelo facebook, mas consigo perceber a vontade daquele povo para dignificar e promover aquele "Coração de Xisto"

Deixo algumas fotos retiradas por essa Internet fora:


Uma página no facebook que devem conhecer O Ferrolho 

Tenho de voltar a esta aldeia e fazer uma reportagem mais digna.
A minha passagem pelo Sobral desta vez foi periférica, mas demorada.
Ai Santa Barbara e São Pedro tenham lá calma na próxima vez!! Vinte minutos parados a espera que a chuva abrandasse para tirar a cache do seu esconderijo, mas lá conseguimos.


Ficaram muitas caches por encontrar.
Voltámos para casa pelos caminhos de xisto com a promessa de voltar para conhecer melhor esta aldeia e descobrir novos tesouros. Seguimos em direcção ao parque eólico onde ainda nos esperava alguns minutos de muitas curvas. Chegamos a casa esfomeados e cansados, mas valeu a pena.

Visitem o interior de Portugal, conheçam as aldeias de xisto e toda esta zona. Nesta altura do ano ainda poderão apanhar algumas castanhas e medronho para a viagem ;)

Espero que tenham gostado!
Sintam-se a vontade para comentar.

Beijinhos 






quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Opinião - Histórias Amorais para Crianças e Animais de João Diogo Zagalo


Sinopse: O Autor divide os seus contos em 5 temáticas diferentes (histórias de amor; histórias de trabalho; fait-divers; mini peças de teatro; histórias baseadas no imaginário popular). Mas tal como explica no Prefácio da Obra, estes Universos, todos povoados por personagens bizarros, interligam-se. Podemos, por exemplo, assistir a uma história de amor sobre um homem sem pescoço, ou uma história de trabalho onde a nova contratação da empresa é um funcionário invisível e mudo, que todos suspeitam nem sequer existir…

Tal como a sinopse indica, este é um livro de contos.
Não! Não são histórias para crianças e arriscaria até dizer que alguns contos só serão entendidos por pessoas maduras pela carga irónica. Para quem não entende é apenas mais uma história estranha.
Podem conhecer um dos contos aqui, numa publicação que fiz para dar a conhecer o livro.

No geral gostei bastante do livro.
Começo a gostar destas antologias que me transportam para mundos habitados por seres estranhos, com histórias ainda mais estranhas. Não gostei de todos o contos, talvez por não compreende-los, mas não ficava muito tempo a pensar e seguia para outro. 
Diverti-me a ler este livro e quem tem um dia livre pode perfeitamente lê-lo até ao fim. 

Neste livro podemos encontrar um Pinóquio explorado pelo pai adoptivo, uma carta ao menino jesus escrita por um advogado (genial conclusão), um Drácula que encontra no facebook um novo sentido para a vida, um artista esfomeado e várias conversas e comportamentos sem sentido algum, bizarras e que todos nós temos de vez em quando sem pensar muito nisso (a sátira).
Foi uma leitura agradável, que não esperava fazer tão cedo, mas estas ilustrações convidavam-me a toda hora.

Parece-me uma boa leitura para o Halloween :D
Já alguém leu?

beijinho

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Férias a passear 2# - São Romão e Alvoco da Serra

Olá!

Aproveito mais um pausa no trabalho para dar a conhecer mais uns locais que visitei nas minhas férias. Já falei da minha visita a Guarda e Belmonte e hoje venho falar de duas terras do concelho de Seia, distrito da Guarda.

No segundo dia de férias decidimos não ir muito longe, só tínhamos a tarde para passear e o céu estava carregado de nuvens, prontas a desfazer a qualquer momento.
Decidimos portanto fazer uma visita rápida à família que mora em S.Romão, Seia, aproveitar para fazer geocaching e levar o pirata a conhecer um Quartel dos Bombeiros, sonho de a muito tempo.

São Romão fica a cerca de 45min de viagem, e muitas curvas, muitas mesmo. 
Almoço tratado, Gps na bolsa, lancheira cheia e fizemo-nos a estrada. 


Sempre que vou para aqueles lados da serra gosto de pensar que piso as mesmas terras que Viriato terá pisado. :)


São Romão (já fui tão feliz ali...) - São Romão é uma vila do concelho de Seia, considerada mesmo a mais rica do município, em recursos naturais e em termos Patrimoniais, situada na imensa Serra da Estrela, numa região de bonitas paisagens naturais, onde nasce o rio Cobrão. 
A vila tem origens bem antigas, como se pode observar nos vestígios do seu Castro bem anterior à nacionalidade, que terá dado origem ao desenvolvimento da povoação original, e o “Buraco da Moira”, um sítio arqueológico cuja ocupação remonta ao Período Calcolítico (cerca de1200 a.C.). 
São Romão chegou, inclusivamente, a ser sede de concelho no século XVIII, mas foi perdendo importância administrativa. 
A indústria de lanifícios foi, durante mais de duzentos anos, a principal fonte de subsistência da população, repartindo-se entre a actividade agrícola e hoje em dia, noutras indústrias em profuso desenvolvimento, destacando-se a produção do afamado Queijo da Serra da Estrela. 
Em São Romão vale a pena conhecer a Igreja Matriz, a Capela do Santo Cristo, o Santuário de Nossa Senhora do Desterro, de onde se avista a curiosa “Cabeça da Velha” e o interessante Museu de Arte Sacra 
A paisagem circundante é de grande beleza, como se pode avistar do alto Senhor do Calvário e Moita, com uma vista de fazer perder a respiração, ou no já referido lugar da Senhora do Desterro, nas margens do fabuloso Rio Alva, onde se situa o Museu Nacional da Electricidade e a agradável Praia Fluvial.              (texto retir de pagina do facebook)


No passado dia 21 de setembro, São Romão comemorou os 500 anos do Foral Manuelino. Segundo o meu Tio contou, aquela vila teve grande importância histórica e chegou a ser sede de concelho, mas uma noite foi "vendida" a Seia a esta passou a ser a sede. Sempre ouvi falar da rivalidade das duas terras o que achava natural pois são vizinhas, mas pelos vistos é uma rivalidade com tradição.

Não conhecia este dado histórico, nem o passado da vila de S.Romão. 
Esta comemoração despertou-me para esse facto e na próxima visita vou querer conhecer todos os locais marcantes. Já passei lá bons momentos e sempre gostei da vila mas saber destes dados tão importantes dá-me mais vontade de voltar e descobrir todo esse passado. 
Segundo a W. Viriato de 147 a 139 a. C. , fez do "Crasto" uma das suas bases estratégicas na luta contra os Romanos. ( ;) )


Depois de um lanche, com uma magnifica paisagem e um céu carregado de chuva seguimos caminho para Alvoco da Serra, aldeia pela qual já tínhamos passado, mas deixamos a visita para o retorno a casa. 

Alvoco da Serra- Freguesia portuguesa do concelho de Seia constituída por cinco localidades: Alvoco da Serra (sede da freguesia), Outeiro da Vinha, Vasco Esteves de Baixo, Vasco Esteves de Cima e Aguincho. Recebeu foral de D. Manuel I em 17 de Fevereiro de 1514, como concelho. Titulo que manteve até 1836. Passou a pertencer ao concelho de Loriga. Actualmente integram o concelho de Seia.

De Alvoco conhecia apenas as paisagens, passei vezes sem conta pela estrada, fiz geocaching nas imediações da aldeia e sempre achei uma terra muito bonita com paisagens fantásticas. A ultima visita que tinha feito, foi na altura do Outono e senti-me no paraíso. Sem exagero, adoro este lado da Serra da Estrela e nunca esquecerei essa visita. 
 

Como já referi o que conhecia de Alvoco eram algumas paisagens e a estrada, nunca tinha descido a aldeia. 
O que lá encontrei deixou-se espantada. Para além de muito bem cuidada, contem vestígios judaicos. Sei que tem vestígios românicos, mas desconhecia de todo que por aqui se tinham fixado judeus. 
Este dado vai "obrigar-me" a uma grande pesquisa e posteriormente, uma longa visita de estudo. 

(Acho que vou ter de juntar "professor de história", à minha lista de Amizades que preciso fazer, pois certamente me darão um jeitaço)  

Acho que já me estou a alongar muito, mas antes de terminar quero aconselhar toda a gente a fazer Geocaching. Parece estranho para alguns andar a procura de caixas perdidas mas se não fosse esse jogo eu nunca descobriria locais como estes que venho falando. Não conheceria a sua história, os seus locais de relevo, os habitantes e muitas nem tinha visitado. O geocaching mudou completamente o meu conceito de passear. Estou mais atenta, mais curiosa, mais culta e mais feliz. 

No caso desta aldeia, descemos à povoação para retirar alguns dados para duas multi-cache. Abençoadas, que nos mandaram depois para sítios perdidos nos montes. Terei de fazer essas caminhadas um dia destes. 

Fica o registo fotográfico.   


E uma recuperação bastante original.
Ainda pensei tratar-se de uma casa museu mas é simplesmente uma casa recuperada por um habitante com gosto na tradição. Gostei muito! 

  

Espero que tenham gostado e ficado com vontade de visitar. 
Esta zona da Serra da Estrela é muito bonita e espera pela vossa visita. Pesquisem e conheçam Loriga, a aldeia que separa esta duas que falei. É também digna de visita, riquíssima a nível histórico e paisagístico. 

Obrigado por lerem até ao fim. Acreditem que deixei muito por falar e o que conheço é mínimo. 
Em breve volto para vos falar de uma aldeia de xisto!

Beijinhos