quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Férias a passear 3# - Viagem ao coração do xisto, Casegas e Sobral de S. Miguel

Olá!

Continuo a relatar os meus passeios nas férias e desta vez venho falar de duas aldeias do meu concelho. Na verdade foram visitas muito rápidas, de passagem. Desta vez não podíamos demorar a tarde inteira e fomos apenas tentar a sorte com mais umas caches. 

Tínhamos em mente fazer 6 ou 7 caches mas depois de  uma tentativa falhada e muita chuva, apenas conseguimos encontrar três. Valeu pelo passeio.
Apesar de serem aldeias que fazem limite com a minha, são terras onde raramente passo. Quando se fala de limites por aqui estamos a falar de distancias muitos grandes.

Seguimos então para Casegas com uma paragem em Paúl para tentar a sorte num local da ribeira. Tentativa frustrada. Depois de algum tempo a procurar, a maldita não apareceu. Abandonámos o local, pois a chuva ameaçava cair e o terreno que pisávamos estava escorregadio e ninguém queria tomar banho naquela hora.


Falarei do Paúl em outra ocasião. É sem dúvida uma aldeia cheia de história e riquíssima em recursos naturais, nomeadamente a ribeira. Ao longo do leito podemos encontrar locais magníficos.  Deixo apenas algumas fotos e a promessa de uma publicação futura.  

De novo na estrada e rápido chegamos a Casegas.

Casegas - (byW) Casegas foi uma freguesia portuguesa do concelho da Covilhã, com 41,16 km² de área e 425 habitantes (2011). Densidade: 10,3 hab/km².
Foi extinta em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional, tendo sido agregada à freguesia de Ourondo, para formar uma nova freguesia denominada União das Freguesias de Casegas e Ourondo da qual é a sede.

Peço desculpa pela descrição tão pobre mas não estivemos tempo suficiente para conhecer melhor a aldeia, ficam apenas as imagens. (A panorâmica "roubei" algures na net.)


Cache encontrada, seguimos para Sobral de São Miguel. Pelo caminho encontramos mais uma cache e muitos medronhos já prontinhos para serem colhidos para fazer aguardente.


Sobral de São Miguel - O slogan da aldeia “O coração do xisto” não é inocente. Esta aldeia será um dos maiores aglomerados de edifícios em xisto de Portugal.Porém, a grande maioria das construções encontra-se rebocada e pintada predominantemente de branco.

Daqui se exporta xisto para o mundo, mas a matéria prima não se fica por aqui.
Começando no património gastronómico – na aldeia pode provar desde ginja, até pica de chouriço, sardinha ou bacalhau, passando pelo mel e pelo pão de forno a lenha – a aldeia tem ainda para oferecer um património cultural e artístico.
Sobral de São Miguel também proporciona uns bons passeios. Quer sejam através das ruas e quelhas da aldeia, ou acompanhando o curso da Ribeira do Porsim.

A aldeia possui uma vasta envolvente de novas construções, pelo que devemos orientar a nossa visita para o núcleo mais antigo. Aí o casario acompanha as curvas mais ou menos pronunciadas da ribeira, elevando-se como que em escadaria, encosta acima. Os arruamentos são quase sempre paralelos à ribeira, sendo ligados por inúmeras quelhas com degraus ou por ruelas inclinadas que procuram contornar as habitações. Estas são quase sempre justapostas, não havendo espaço para quintais. De dois ou três pisos, a altura dos edifícios cria ruas onde, mesmo durante o dia, predomina a sombra.


Ainda não visitei o Sobral por muito tempo, mas lembro-me da primeira vez que entrei nesta aldeia. Assim que vi as casas de xisto senti-me num mundo a parte. É uma aldeia lindíssima que vale muito a pena visitar. É rica a sua história, património e cultura. Apesar de ter uma população maioritariamente envelhecida, os jovens não perdem as suas raízes e empenham-se verdadeiramente para manter viva a aldeia. É de louvar o trabalho comunitário que é feito por lá. Vejo isto que digo à distancia, principalmente pelo facebook, mas consigo perceber a vontade daquele povo para dignificar e promover aquele "Coração de Xisto"

Deixo algumas fotos retiradas por essa Internet fora:


Uma página no facebook que devem conhecer O Ferrolho 

Tenho de voltar a esta aldeia e fazer uma reportagem mais digna.
A minha passagem pelo Sobral desta vez foi periférica, mas demorada.
Ai Santa Barbara e São Pedro tenham lá calma na próxima vez!! Vinte minutos parados a espera que a chuva abrandasse para tirar a cache do seu esconderijo, mas lá conseguimos.


Ficaram muitas caches por encontrar.
Voltámos para casa pelos caminhos de xisto com a promessa de voltar para conhecer melhor esta aldeia e descobrir novos tesouros. Seguimos em direcção ao parque eólico onde ainda nos esperava alguns minutos de muitas curvas. Chegamos a casa esfomeados e cansados, mas valeu a pena.

Visitem o interior de Portugal, conheçam as aldeias de xisto e toda esta zona. Nesta altura do ano ainda poderão apanhar algumas castanhas e medronho para a viagem ;)

Espero que tenham gostado!
Sintam-se a vontade para comentar.

Beijinhos