terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

30º aniversário e novas aquisições literárias

Olá!

Há uns dia que não passava por aqui e confesso que já tinha saudades de escrever. Estes dias tenho andado ocupada com outros assuntos e tenho lido muito pouco comparado ao mês passado. Pelo menos até à Páscoa vou andar numa azáfama, mas vou tentar arranjar sempre uns minutos para ler e tentar cumprir a minha metas.
Entretanto completei mais um aniversário e foi um dia muito especial recheado de surpresas. É sobre isso que venho falar hoje.
Completar 30 anos era algo que estava a fazer uma certa confusão. Apesar de aos 20 já ter muita responsabilidade sempre considerei que tudo ficava mais sério depois dos 30. Eu tento tranquilizar a mente e a alma e fazer-lhes ver que esta década será a melhor de todas, pois estou mais madura, segura e tranquila perante os desafios da vida e com a energia suficiente para me cuidar para viver as próximas décadas da melhor forma, mas eu sinto-me como se acabasse de entrar na terceira idade e dois dias após o meu 30º aniversário parece que já sinto umas dorzitas num ou outro osso :P. Depois também tenho aquelas pessoas simpáticas que me perguntam: "Só fizeste 30 anos??"... Oi?... Só?... aposto deve ser por ter um filho quase da minha altura... Muito obrigado

Como dizia há pouco, este dia foi muito especial e foi um dos aniversários mais tranquilos e cheios de amor de sempre. Comecei o dia bem cedo com os preparativos para o almoço que ofereci à minha família e deu-me muito gozo cozinhar para eles, foi a minha forma de gratidão por estarem sempre ao meu lado.
Depois de almoço fomos dar um passeio para aproveitar o ar puro e a brisa da serra que já começava a vestir-se de branco mas o nosso principal objectivo era visitar o membro mais novo da "família" :)
Pode parecer um pouco estranho uma vez que eu moro numa aldeia, mas eu nunca tinha visto um cabritinho tão pequeno. Bem, vejo alguns no trabalho um pouco maiores mas esses já vêm prontinhos para ir ao forno... E olhar para aquela fofura com apenas uma semana, tocar-lhe e vê-la depois a correr aos saltitos até à sua mãe fez-me sentir a pessoas mais horrível do mundo. É triste pensar no destino a que estes seres estão sujeitos.
O dia terminou com um jantar com algumas das minhas amigas. 
Foi um dia especial recheado de surpresas, com algumas prendinhas entre elas LIVROS =), um dia passado com a família e alguns amigos que não irei esquecer. Não costumo festejar sempre o aniversário e em tempos nem queria mesmo saber, achava que não valia a pena que ninguém se importava e agora vejo como estava errada. É bom perceber que amadurecemos, que levamos a vida com mais sabedoria e isso nos dá uma certa tranquilidade. É bom saber que não estou só e a todos os que tornam os meus dias mais felizes desejo o mesmo que desejam a mim. <3

Agora as prendinhas \o/
Para além de um perfume, uma carteira e uma t-shirt muito fixe recebi alguns livros.



Sinopse
Com a mestria, o rigor e o tom vivaz e irónico a que já nos habituou, Sérgio Luís de Carvalho volta a fazer história da História de Portugal, através do fulgor e fascínio que nos inspiram os grandes traidores aqui tratados.
A partir de alguns traidores - mas também de verdadeiros heróis - eis mais um delicioso périplo pela História de Portugal.


Este é um livro de crónicas e estou bastante curiosa para ler. Eu adoro a história de Portugal e quanto mais conheço mais fascinada fico. Este género de livros fazem-nos refetir bastante e ver a história com outros olhos, longe das ideias que nos são passadas na escola onde apenas nos ensinam o essencial e o que convêm. O título já me intriga uma vez que em 139 A.C. ainda não existia Portugal, mas vou ler para ver a que se referem.

Sinopse
A receita para a vida devia ser simples: amor, família, amigos, saúde e uma boa dose de delícias gastronómicas. Mas a vida raramente é simples. Alice sabe também como ela pode ser frágil, por isso quer desfrutá-la ao máximo… e nunca se sente tão viva como quando está a cozinhar. Por seu lado, Babetta passou a vida a cuidar da família. Mas agora os filhos já cresceram e seguiram os seus próprios caminhos, deixando-a só na sua pequena casa junto à costa italiana. 
Um Verão, as vidas destas duas mulheres vão unir-se numa pequena aldeia no Mediterrâneo, sob a linguagem comum da comida e do amor pela terra. Vai ser aí, sob o calor do sol italiano, ou a sombra da romãzeira, que segredos serão desvendados, e medos e esperanças partilhados. Mas as lições da vida nem sempre são fáceis de aprender…
Nicky Pellegrino está de volta com um romance de fazer crescer água na boca e inspirar os corações mais obstinados.

Não sei o que me espera esta leitura, a sinopse é interessante e espero gostar bastante da história.

Sinopse
A relação de amor entre duas pessoas, seja de mãe e filho, seja de marido e mulher, é desmedida por padrão. No início a empolgação se esforça para esconder todos os defeitos e no fim o cansaço faz esquecer todas as qualidades. Não há relacionamento em que uma pessoa veja a outra com justiça. Se existe alguém com quem nunca somos generosos, é com quem amamos.
Que acontecimento poderoso consegue afastar mãe e filha por quase toda a vida? E que tipo de força é capaz de reaproximá-las nas fronteiras da morte?
Da cama de hospital onde vive seus últimos dias, Claudia dá início a uma jornada dolorosa pelas experiências que moldaram a história dela e da filha, Meg. A mãe terá que ser mais rápida do que a morte para convencer a jovem a dividir confissões de uma vida marcada por um trauma. Manter-se viva e reviver a memória serão os desafios de Claudia para mudar o mundo das pessoas que mais ama.
Com uma dose de mistério que fatalmente leva os olhos à próxima página, Onze Semanas é uma viagem de sensações viscerais que conduz o leitor inúmeras vezes, sem que ele perceba, ao papel dos personagens.

Bem este não é propriamente um presente de aniversário, mas como foi enviado a pela Chiado Editora (parceria) e chegou dois dias antes do aniversário, vou considerar uma prenda :P
Eu tenho a fasquia alta em relação a este livro, parece-me muito bom e espero não me desiludir.

E foi assim que virei mais uma década na minha vida. Foram 30 anos de muitas experiências e apesar dos maus momentos valeu a pena não desistir, não baixar os braços e abraçar a vida com tudo o que ela tem para me oferecer. Tudo tem uma razão de ser  e estamos aqui para viver, o bom e o mau.

SEJAM FELIZES!!
Beijinhos