domingo, 8 de novembro de 2015

Canções com história #7 - Romaria das festas de Santa Eufémea

Para quem ainda não sabe, eu colaboro no jornal mensal da Banda Filarmónica da Erada com alguns artigos e Canções com História é um deles. Gosto tanto de fazê-lo que resolvi partilhar aqui no blogue.
A música é a minha grande paixão. Todo o tempo que dedico a ela é precioso e encontro sempre algumas histórias que acho que devem ser partilhadas. Espero que gostem


O primeiro fim de semana de setembro na minha aldeia é uns dos mais especiais pois celebramos a grande Festa em Honra e Glória a Nossa Senhora dos Milagres. 
Aparentemente é uma romaria como tantas outras, mas para nós é especial e a mais aguardada do ano.

As romarias são uma das manifestações populares que mais gosto, as famílias juntam-se, as casas enchem-se de aromas fantásticos, enfeitam-se as ruas, as capelas enchem-se de fiéis e as procissões acompanhadas pela filarmónica são um dos momentos altos. Por fim, noite dentro, temos os balaricos onde entre copos e danças a população se diverte.
O verão por estes lados é sempre muito activo e quando se tem grupos de bons amigos que gostam de festa, as romarias são a nossa diversão dos fins de semana. 
No fim, quando as festas acabam, as aldeias voltam ao sossego e quase hibernamos. Sossegamos, recuperamos energia e aguardamos pelo próximo verão e as festas que chegam com ele. 

Há dias ouvi na rádio uma canção que é o retrato autêntico dessas romarias e senti saudade de tudo. Essa canção tem uma letra genial e descreve o que realmente se encontra nestas festas. 
E quem melhor para retractar cenários que o nosso talentoso Miguel Araújo
É um poeta genial e juntamente com António Zambujo fazem trabalhos de composição incríveis como é este que vos trago hoje. 
Fiquem atentos e desfrutem 


ROMARIA DAS FESTAS DE SANTA EUFÉMIA

Em dia de romaria
Desfila o meu vilarejo
Ainda o galo canta o dia 
Já vai na rua o cortejo

O meu pai já está de saída
Vai juntar-se aquele povo 
Tem velhas contas com a vida
A saldar com vinho novo

Por mais duro o serviço
Que a terra peça da gente
Eu não sei por que feitiço
Temos sempre novo alento

A minha mãe, acompanhada
De promessas por pagar
Vai voltar de alma lavada 
E joelhos a sangrar

A minha irmã quis ir sozinha
Saiu mais cedo de casa
Vai voltar de manhãzinha
Com o coração em brasa

REFRÃO

A noite desce o seu pano
No alto deste valado
O sagrado e o profano
Vão dançando lado a lado

Não sou de grandes folias
Não encontrei alma gémea
Há-de haver mais romarias
Das festas de Santa de Eufémia

Música do projecto Os da Cidade (Miguel Araújo, António Zambujo, João Salcedo e Ricardo Cruz), escrita por Miguel Araújo e editada no disco "Crônicas da Cidade Grande"

A mártir Santa Eufémia é uma santa muito adorada e venerada em Portugal em várias freguesias com o seu nome ou com romarias em sua honra. Na primeira quinzena de setembro são inúmeras as festas e arraiais que se realizam, não só em Portugal mas também em Espanha, Itália e Croácia, onde o seu corpo se encontra preservado na cidade de Rovinj.
Nasceu em meados do ano 288 na cidade de Calcedónia, na actual Turquia, numa família nobre e respeitável. Foi criada nos ideais cristãos, que faziam dela um exemplo de virtude e beleza junto dos habitantes. 
Viveu no tempo do Imperador Romano Diocleciano, que moveu talvez a maior perseguição contra os cristãos da Igreja primitiva. A jovem Eufémia, vendo como os cristãos eram cruelmente perseguidos e torturados decidiu apresentar-se perante Prisco, o juiz da sua cidade, comunicando-lhe que também acreditava em Cristo e que era baptizada. Acabou por sofrer nas mãos deste juiz os mais cruéis tormentos incluindo a roda de fogo, na esperança de quebrar seu espírito, mas nunca negou a sua fé em Cristo. 
Acredita-se que tenha sido lançada numa arena e morta por um urso ou leão (existem várias versões incluindo uma que diz que os leões se recusaram a matá-la e teve de ser o carrasco do juiz a terminar a tarefa, mas como é de se esperar dada a época as versões são bem distintas)
Era o dia 16 de Setembro do ano 304? e para a história fica mais uma mártir. Eufémia tinha apenas 15 anos.

Santa Eufémia é considerada protectora da pele, sendo invocada pelos cristãos como auxílio para as doenças dermatológicas, principalmente a dos cravos, embora a ela recorram com os mais diversos pedidos nas horas de aflição sendo por ela atendidos, especialmente doenças cancerosas e de queda de cabelo. 

ORAÇÃO À VIRGEM E MÁRTIR SANTA EUFÉMIA
Gloriosa Santa Eufémia, com humildade e devoção vimos aos vossos pés render-vos as nossas homenagens e suplicar-vos que diante de Deus intercedais por nós a fim de que a nossa fraqueza se converta em força, a nossa doença se transforme em saúde, o nosso defeito se mude em virtude, a nossa tibieza se transforme em fervor pela imitação de vossa vida heróica que vos fez mártir na terra e feliz na eternidade.
Milagrosa Santa Eufémia, ajudai-nos a ser sempre verdadeiras testemunhas de Jesus Cristo, seguindo o exemplo do teu martírio e concedei-nos as graças que insistentemente vos pedimos.